Month: February 2016

Condor volta à natureza após 30 anos em programa de reprodução

TÍTULO

California condor flies free for first time in 30 years

AUTOR desconhecido
DATA  31 de dezembro de 2015
LOCAL Califórnia, Estados Unidos
FONTE  Associated Press
REPOSITÓRIO http://www.latimes.com/local/lanow/la-me-ln-california-condor-flies-free-for-first-time-in-30-years-20151231-story.html
DESCRIÇÃO

Após ficar 30 anos preso em programa de reprodução e recuperação de espécie no San Diego Zoo Safari Park, condor californiano (Gymnogyps californianus) de 35 anos é libertado em reserva natural da Califórnia [Bitter Crrek National Wildlife Refuge].

O animal, batizado de AC-4, havia sido capturado na natureza em 1985, quando então o número de condores californianos estimado no mundo era de apenas 23. A quase extinção da espécie deveu-se, principalmente, ao envenenamento, já que muitos condores se alimentavam de carcassas de animais mortos por caçadores e acabavam ingerindo balas de chumbo. Segundo a Associated Press, balas desse tipo ainda são utilizadas na Califórnia, mas em 2013 foi aprovado um projeto de lei que prevê a descontinuidade de seu uso pela caça até 2019.

O condor AC-4 foi “pai” de mais de 30 condores no programa de reprodução, os quais foram introduzidos na natureza. Na natureza, condores podem chegar a 60 anos.

After two weeks of visiting old haunts in the Elkhorn Hills and Caliente Range, AC-4 has returned to Bitter Creek NWR!…

Publicado por The Condor Cave em Sexta, 15 de janeiro de 2016

Espalhe

Vereador sugere construção de zoo ao lado de futuro Palácio Industrial paulistano

TÍTULO  Camara Municipal – Sessão extraordinaria de 6 de fevereiro de 1885 [ata lavrada por Antonio Joaquim da Costa Guimarães]
AUTOR Ata da Câmara Municipal
DATA  20 de fevereiro de 1885
LOCAL São Paulo, SP
FONTE  jornal “Correio Paulistano”
REPOSITÓRIO  Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional
DESCRIÇÃO  Vereador Araújo Costa sugere construção de zoológico junto a futuro Palácio da Indústria (demanda da Associação Commercial e Agrícola de São Paulo) em frente a penitenciária

 

Espalhe

Empresa busca financiamento na Bolsa para construção de zoo carioca

TÍTULO Jardim zoologico
AUTOR desconhecido
DATA 10 de agosto de 1885
LOCAL Rio de Janeiro, RJ
FONTE  jornal “A Província de São Paulo”, reproduzindo notícia do “Paiz”
REPOSITÓRIO  Acervo Estadão
DESCRIÇÃO
Ações são lançadas na Bolsa de Valores para o financiamento da construção de um zoológico no Rio de Janeiro (pela companhia Villa Isabel, de Barão de Drumond)

 

Espalhe

Autorizada construção de zoo no Rio de Janeiro

TÍTULO O que vae pelo Brazil
AUTOR desconhecido
DATA 26 de outubro 1884
LOCAL Rio de Janeiro, RJ
FONTE  jornal “A Província de São Paulo”
REPOSITÓRIO  Acervo Estadão
DESCRIÇÃO
 Ministério do Imperio autoriza commendador João Baptista Vianna Drumond (Barão de Drummond), a construir no bairro de Villa Izabel um jardim zoologico “semelhante aos que ha em algumas cidades da Europa”

 

 

A mesma notícia foi veiculada também pelo “Correio Paulistano”:

 

TÍTULO   Thesouraria de Fazenda
AUTOR desconhecido
DATA  25 de outubro de 1884
LOCAL Rio de Janeiro
FONTE  jornal “Correio Paulistano”
REPOSITÓRIO  Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional
DESCRIÇÃO Ao noticiar autorização de criação de um zoo no Rio pelo Barão de Drumond, Correio Paulistano enfatiza que iniciativa semelhante ainda pode ser realizada pelo Imperial Instituto Fluminense de Agricultura

 

Espalhe

Deficiência de specimens prejudica zoo de Lisboa

TÍTULO Corresp. de Portugal
AUTOR C.V. [José Carrilho Videira?]
DATA 18 de novembro 1884
LOCAL Lisboa, Portugal
FONTE  jornal “A Província de São Paulo”
REPOSITÓRIO  Acervo Estadão
DESCRIÇÃO
 Correspondente relata brevemente como zoológico de Lisboa, “este recreio tão útil”, não correspondeu às esperanças, devido a “absoluta deficiencia de specimens zoologicos” e má-administração de seus diretores

 

Espalhe

Aves do Jardim Público de São Paulo viram alvo de vandalismo

TÍTULO Vandalismo
AUTOR desconhecido
DATA 2 de maio 1884
LOCAL São Paulo, São Paulo
FONTE  jornal “A Província de São Paulo”
REPOSITÓRIO  Acervo Estadão
DESCRIÇÃO
 Nota denuncia vandalismo e violência contra aves do Jardim Público (Jardim da Luz), em São Paulo. Texto correlaciona a violência contra os animais e a “selvageria” e os “typos que representantam a triste e atrazada civilisação desta santa terra bragantina”

 

 

Espalhe

Civilização alcança Lisboa com inauguração de zoo

TÍTULO Escrevem de Lisboa, a 29
AUTOR desconhecido
DATA 19 de junho de 1884
LOCAL Lisboa, Portugal
FONTE  jornal “A Província de São Paulo”
REPOSITÓRIO  Acervo Estadão
DESCRIÇÃO
 Reportagem relata inauguração do novo zoológico de Lisboa, Portugal, localizado no parque de S. Sebastião da Pedreira.

Interessante a observação do redator, que relaciona o zoo a uma prisão para os animais:

O local é magnifico, e n’aquelle vasto recinto todo coberto de arvoredos (…), os pobres animaes prisioneiros não terão ao menos a nostalgia da verdura e da sombra

Reportagem também lista os empresários envolvidos no negócio: [José Thomaz] Souza Martins e [Pedro] Van der Loan, e termina fazendo paralelo entre a presença de um zoo e o grau de civilização de uma cidade

Hein! Isto representa inquestionavelmente mais uma conquista que a civilisação alcançou sobre a inercia e rotineira d’esta boa Lisboa.

 

Espalhe

Zoo de Lisboa é inaugurado com cabras e ovelhas

TÍTULO Jardim Zoologico e de Aclimação
AUTOR desconhecido
DATA 29 junho 1884
LOCAL Lisboa, Portugal
FONTE  jornal “Seculo”, em reprodução pela “A Província de São Paulo”
REPOSITÓRIO  Acervo Estadão
DESCRIÇÃO
Reprodução de reportagem jornal português “Seculo”, de 29 de maio de 1884, sobre a inauguração do zoológico de Lisboa, em Portugal.
 
Boa parte do texto é uma enumeração dos animais presentes no parque. Muitos deles estão longe da categoria entendida como “selvagem” ou “exótica”, como cabras, ovelhas, bois, corvos, perdizes e cães. Há no entanto, uma girafa e uma gaiola de macacos, que era a “que mais chava a attenção do público”, além de camelos que podiam ser montados por visitantes. 
 
Interessante notar o interesse d’ “A Província de São Paulo” no empreendimento. 

 

Espalhe

Ramalho Ortigão defende zoo como instrumento moralisador e educativo

TÍTULO Lição que nos serve
AUTOR Ramalho Ortigão
DATA 4 de abril de 1883
LOCAL Lisboa, Portugal
FONTE  jornal “A Província de São Paulo”
REPOSITÓRIO  Acervo Estadão
DESCRIÇÃO
Em “A Lição que nos serve”, Ramalho Ortigão, escritor português que colaborava com o jornal “A Província de São Paulo”, elogia a formação de uma comissão em Lisboa para construção de um Jardim Zoológico na capital portuguesa.
 
O autor acredita que a presença do zoo trará resultados positivos à educação da população:
 
A sabida importância de um jardim zoológico para os altos estudos da biologia e da zoologia comparada, as quaes, depois de Darwin, se tornaram a base experimental de toda a philosophia da natureza, torna-se um valor secundário perante os estímulos de curiosidade intellectual e de moralisador e nobilitante prazer intelligente, que essa instituição é chamada a exercer no espírito do povo.
 
Ele continua dizendo que “decretar a instrução”, assim como a “moralidade”, é inútil caso o povo não tenha interesse pelo assunto: “o povo não sente a necessidade de aprender”:
 
A curiosidade intellectual não desperta sinão pelo exercício das faculdades postas em movimento por uma solicitação do prazer, e ninguém entre nós tem pensado em crear os prazeres do espírito popular.
 
Dessa forma, o zoo é importante ao criar o interesse pela instrução a partir do prazer.

Espalhe