Entenda o que muda com o fechamento do zoo de Buenos Aires

A Prefeitura de Buenos Aires, capital da Argentina, anunciou no final de junho que pretende fechar o zoológico da cidade, inaugurado em 1875 e hoje administrado em regime de concessão por uma empresa privada —Jardín Zoológico de Buenos Aires S.A. O contrato venceria em 2017.

De acordo com o jornal “La Nación”, a decisão de reestatizar o zoo deveu-se, em parte, a uma razão prática: a concessionária não pagava o aluguel do espaço (de um milhão de pesos mensais, aproximadamente, ou R$ 220 mil), desde o início de 2016. 

 

Zoológico de Buenos Aires em foto de 1890, aproximadamente

Zoológico de Buenos Aires em foto de 1890, aproximadamente. Fonte: Wikipedia/Archivo General de la Nación Argentina

 

Segundo o chefe de governo portenho, Horacio Rodríguez Larreta, os 1.500 animais do zoo serão transferidos para santuários e reservas naturais (como a Reserva Ecológica de Costanera Sur) ou ficarão no local, que será reformulado como um “Ecoparque Interactivo”. Tal ecoparque, diz a Prefeitura, funcionará como um centro de reabilitação para animais resgatados do tráfico ilegal. 

“Em situações especiais poderemos trazer alguns animais, como os que estejam em reabilitação, em transição. Mas não nessa situação de cativeiro, que, para nós, é degradante. A essa altura, o zoo não transmite às crianças os valores que queremos transmitir”, disse Rodríguez Larreta. 

Porém, não está claro qual será o passo a passo das mudanças. Um dos pontos que não foram esclarecidos, por exemplo, é se o local continuará a exibir animais.  Sabe-se, por hora, que o zoológico não fechará suas portas imediatamente e permanecerá aberto durante os meses de férias escolares. No entanto, diz o “La Nación”, o programa de reprodução e o ingresso de novos animais exóticos no zoo já foram suspensos. O site da prefeitura de Buenos Aires diz ainda que todos os animais que hoje vivem no zoológico e que estejam em boas condições de saúde deverão ser transferidos. Os que permanecerem, serão os da “última geração”.

Ao mencionar que deverá ser aberto um concurso internacional para a reformulação do espaço do zoo, Rodríguez Larreta afirmou que o local ainda deverá cumprir as funções de educação e de entretenimento. 

O zoológico de Buenos Aires ficou conhecido pelas polêmicas em torno do bem-estar de seus animais, como no caso da orangutango Sandra, que teve seus direitos reconhecidos pela Justiça como “pessoa não humana” em 2015, abrindo caminho para um “habeas corpus” que a tirasse de exibição. Já foi dito, no entanto, que a primata provavelmente não será transferida devido ao seu frágil estado de saúde.

Espalhe

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *