Tag: Correio Paulistano

Novas versões sobre a morte de tratador alemão por elefante no Rio de Janeiro

 

TÍTULO  O elefante Topsy – o animal, enfurecendo-se, mata seu tratador
AUTOR  Desconhecido
DATA  18 de março de 1914
LOCAL  Rio de Janeiro
FONTE  Correio Paulistano
REPOSITÓRIO

Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional

DESCRIÇÃO

Correio Paulistano apresenta duas versões sobre a morte do tratador alemão pelo elefante Topsy no Rio de Janeiro. Em uma, a causa da morte é, na realidade, um ataque cardíaco, e fica a impressão de que o animal pertence a um circo.

Vale notar que o elefante tem o mesmo nome da paquiderme eletrocutada por Thomas Edson em 1903.

https://2.bp.blogspot.com/-W_cAeVd_iWw/U5X7PlZtArI/AAAAAAAAEQ4/fY61aS4S8xE/s1600/18+de+mar%C3%A7o.jpg

Espalhe

Carlos Botelho diz a médicos e jornalistas que pretende criar no Jardim de Aclimação “especie de jardim zoologico” para “recreio” das famílias paulistas

 

TÍTULO  Jardim da Acclimação
AUTOR  Desconhecido
DATA  5 de julho de 1911
LOCAL  São Paulo
FONTE  Correio Paulistano
REPOSITÓRIO

Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional

DESCRIÇÃO

 Grupo de médicos e jornalista visita o Jardim da Acclimação a convite de Carlos Botelho.
A reportagem descreve o parque “bem ajardinado”, o lago, a leiteria e o estábulo. Um jardim zoológico, na época, ainda estava somente nos planos dos proprietários, ainda que já existissem ali alguns animais (exóticos e domésticos). O objetivo, a longo prazo, era tornar o parque em um lugar de recreio/lazer para a população:

 

Além do serviço irreprehensivel da colheita do leite, tiveram os clinicos occasião de verificarem o ideal do dr. Botelho, que é estabelecer alli, como no Jardim de Acclimação de Paris, uma especie de jardim zoologico. Para isso já existem lá muitos cavallos de fina raça, cães galgos e outros, antas, carneiros, um dromedario e diversas aves aquaticas, sendo de notar que existe uma cisne que choca atualmente ovos para darem esse producto, que tanto enfeita o jardim. É [in]tenção do dr. Carlos Botelho de abrir ao publico escolhido de S.Paulo o seu cuidado jardim, estabelecendo nelle sociedades que tornarão o aprazivel logar conhecido. Assim já existe um “club hippico”, para montaria, vae haver um outro de “law tennis” e um para regatas para senhoras. Como se vê desta arte vae ficar procurado o jardim, que tem todas as condições para ser logar de recreio às famílias paulistas.

 

Espalhe

Filho de Carl Hagenbeck visita o Rio de Janeiro e zoológico local

 

TÍTULO  Hospede Illustre
AUTOR  Desconhecido
DATA  13 de agosto de 1909
LOCAL  Rio de Janeiro
FONTE  Correio Paulistano
REPOSITÓRIO

Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional

DESCRIÇÃO

Em rápida passagem pelo Rio de Janeiro, Lorenz Hagenbeck, filho de Carl Hagenbeck, visitou a então capital brasileira e o zoológico local.
Ali, fez alguns elogios inflados ao zoo (“o mais bello do mundo”), mostrou que o bem-estar dos animais comercializados pela sua empresa ficava em segundo plano (ao ter vendido ao Rio anos antes um casal de ursos brancos que julgava que nunca iriam resistir ao clima) e demonstrou um interesse aparentemente falso pelo mandril (disse que trocaria por um bom casal de leões, quando se sabe que esses eram dos animais mais baratos do comércio de animais — tal contradição, no entanto, não foi notada pela reportagem):

 

“Em sua visita ao Jardim Zoologico, o sr. Hegenbeck manifestou franca admiração pela belleza do local, classificando-o o mais bello do mundo. Em sua opinião, o Jardim Zoologico supllanta o de Ceylão, que é, topographicamente, o mais lindo do mundo.(…) Admirou-se das boas condições em que encontrou os ursos brancos, que, quando vieram, ha cerca de dois annon, de sua casa, julgava impossivel resistirem ao clima do Rio. (…) Não acreditava que o nosso Jardim possuisse o grande Mandril, porque, ha muito tempo, nao tem tido, em Hamburgo, o Mandril sinão pequeno. “Daria de bom gosto um casal de meus melhores leões, mas sei que o Jardim não faria essa troca”.

 

Espalhe

Olavo Bilac relata”zoolatria aguda” e passageira em torno dos animais do zoo do Rio de Janeiro

 

TÍTULO  Zoolatria Aguda
AUTOR  Olavo Bilac
DATA  6 de novembro de 1907
LOCAL  Rio de Janeiro
FONTE  Correio Paulistano
REPOSITÓRIO

Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional

DESCRIÇÃO

Olavo Bilac relata toda a atenção dada aos animais recém-chegados do zoológico do Rio de Janeiro (Vila Isabel), prevendo o desinteresse do público em poucos meses:

Em torno de cada gaiola, de cada jaula, de cada viveiro, de cada tanque, havia um grupo compacto de zoólatras, admirando os animaes. E eram enternecedoras as perguntas que os visitantes, com a voz trêmula de interesse e ternura, dirigiam aos guardas: Estavam todos os bichos vivos? Nenhum morrera? Continuavam a gozar de boa saúde? Comiam bem? Mostravam-se satisfeitos com a sua nova residência?…”O urso branco, principalmente, atraia a solicitude dos perguntares: “Não estranhara o calor? Suportará bem o banho? Não se deixava ganhar pela nostalgia assassina, moléstia de poetas e de damas sensíveis?…” E o urso branco, insensível aos cuidados que inspirava, melancholicamente se bambaleava sobre as curtas pernas traseiras, agarrando-se com as dianteitas ao tronco de uma goiabeira (…) Felizes bichos! Que os deuses misericordiosos lhes conservem a vida e a saúde no Jardim Zoológico, onde, daqui a pouco tempo, gozarão os indizíveis benefícios e as ineffáveis delícias da solidão, do silêncio e da paz!

Porque, daqui a algumas semanas, a nossa zoolatria terá desaparecido, como tantas outras latrias que já nos exaltaram  (…) quando algum jornal noticiar que algum dromedário morreu com saudade dos seus ares ou que o urso branco se está finando com a nostalgia dos seus campos de gelo, toda a gente perguntará: “Que dromedário?”! “Que urso branco?”! –e sem mais indagações continuará a pensar na laria de então, que ninguem pode prever qual será…

 

Espalhe

Leopardo escapa do jardim da quinta das Laranjeiras, em Lisboa, e é morto por soldados

 

TÍTULO  Caça ao Leopardo
AUTOR  Desconhecido
DATA  6 de setembro de 1905
LOCAL  Lisboa, Portugal
FONTE  O Estado de S.Paulo
REPOSITÓRIO

Acervo Estadão

DESCRIÇÃO

Jornal relata “caso sensacional” ocorrido em Lisboa (Portugal) de leopardo que, ao ser transferido para um novo parque e uma nova jaula, consegue escapar. São acionadas a polícia, a força de cavalaria e infantaria da guarda municipal para cercar o jardim, encontrando o leopardo “descansando tranquilamente” em um propriedade vizinha ao zoo da quinta das Laranjeiras. Ao ser atingido pela primeira vez pelas balas, o leopardo foge. Depois, ao ser novamente baleado, corre em direção à força militar e finalmente é morto.
Reportagem pode ser lida como um exemplo do tratamento dado aos animais que fugiam de zoos no início do século 20. Já de princípio considerado “feroz”, o único destino possível ao leopardo é a morte. 

Vale comparar a narrativa da reportagem do Estadão com a do Correio Paulistano (abaixo). 

 

 

TÍTULO  Carta de Lisboa (nota da coluna)
AUTOR  Desconhecido
DATA 8 de setembro de 1905
LOCAL  Lisboa, Portugal
FONTE Correio Paulistano
REPOSITÓRIO

Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional

DESCRIÇÃO

Reportagem do Correio Paulistano traz mais alguns detalhes da fuga de leopardo e de sua procedência (fora um presente ao rei do governador geral de Moçambique, Azevedo Coutinho). O animal teria fugido de uma jaula cuja construção ainda estava incompleta e, depois, ficara passeando “serena e elegante, gozando as delicias da liberdade” até ser alvejado por soldados.

Tanto no relato do Correio Paulistano quanto no Estadão, no entanto, é possível perceber como o leopardo mantém uma atitude “tranquila” (até ser atacado), enquanto os humanos estão extremamente nervosos, atrapalhados e despreparados frente à situação (até mesmo ferindo um soldado à bala). 

 

Espalhe

Suicídio de animais nunca chegou a ser solucionado pela ciência, diz jornal

 

TÍTULO  Animaes suicidas
AUTOR  Desconhecido
DATA  1904 janeiro (registro incompleto)
LOCAL  Não se aplica
FONTE  Correio Paulistano
REPOSITÓRIO

Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional

DESCRIÇÃO A partir de reportagem publicada pelo jornal inglês “Globe”, o Correio Paulistano debate brevemente a possibilidade de os animais (mesmo invertebrados, como borboletas) se suicidarem, apresentando exemplos.

O problema de verificar si os animaes podem ou não suicidar-se não é novo e nunca foi resolvido de maneira a satisfazer a sciencia. (…) É provável que tudo isso não passe de simples supposições; não há, porém, o direito de acreditar que os animaes não possam suicidar-se. O problema continua, pois, à espera de resolução.

 

 

Espalhe

Circo Spinelli se apresenta no centro de São Paulo

 

TÍTULO  Circo Spinelli
AUTOR  Desconhecido
DATA  Abril de 1902 (data incompleta)
LOCAL  São Paulo, São Paulo
FONTE  Correio Paulistano
REPOSITÓRIO

Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional

DESCRIÇÃO Propaganda do Circo Spinelli, que se apresentaria na praça João Mendes, no Anhangabaú, em São Paulo. Não está claro se o circo é de propriedade de Affonso Spinelli (diretor do Grande Circo Zoológico Europeu em 1895). A coleção zoológica do circo (que se classifca como uma “grande companhia equestre”) ganha pouco destaque na nota.

 

Espalhe

Girafas não sobrevivem à solidão no zoo de Londres, defende redator

 

TÍTULO  Pequenas notícias [nota da coluna]
AUTOR  Desconhecido
DATA  18 de maio de 1895
LOCAL  Londres, Reino Unido
FONTE  Correio Paulistano
REPOSITÓRIO

Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional

DESCRIÇÃO  Nota faz pequeno histórico da presença de girafas no Jardim Zoológico de Londres, terminando dizendo que nenhum animal pode viver por muito tempo se estiver solitário no cativeiro: “As girafas não se dão bem com a solidão. Ellas são um protesto vivo contra a excelente obra de Zimmermann” [provável referência a Johann Georg Ritter von Zimmermann].

 

Espalhe

Grande Circo Zoológico Europeu chega a São Paulo e se apresenta no Largo da Concórdia

Três entradas foram reunidas por se tratarem de um mesmo tema

 

TÍTULO  Grande Circo Zoologico Europeu
AUTOR Propaganda 
DATA 14 de março de 1895 
LOCAL  São Paulo [Largo da Concórdia, no Brás], São Paulo
FONTE  Correio Paulistano
REPOSITÓRIO

Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional

 

DESCRIÇÃO

Propaganda do Grande Circo Zoologico Europeu, sob direção de Affonso Spinelli, destaca a presença de “linda collecção de animaes ferozes”, entre os quais “um enorme leão, uma onça, um urso, seis cachorros amestrados, seis cavallos e um cavallo asiatico, verdadeira novidade por não ter pello”.
Ou seja, dá-se ênfase à ferocidade dos animais, assim como seu caráter curioso (para o caso de animais domésticos como cavalos e cachorros).

Adiante, também é dado destaque a “instrumentos [musicais] differentes e exquisitos” de outras nacionalidades. 

 

 

TÍTULO Circo Zoologico Europeu
AUTOR Desconhecido
DATA 22 de março 1895
LOCAL  São Paulo [Largo da Concórdia, no Brás], São Paulo
FONTE  Correio Paulistano
REPOSITÓRIO

Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional

DESCRIÇÃO

 

Jornal classifica Grande Circo Zoologico Europeu como “companhia de cavallinhos” e indica espetáculo ao público. No entanto, o maior elogio não é à apresentação de animais, mas ao espetáculo musical dos três bemóis. 

 

 

TÍTULO Circo Zoologico
AUTOR Desconhecido
DATA 14 de março 1895
LOCAL  São Paulo [Largo da Concórdia, no Brás], São Paulo
FONTE  O Estado de S.Paulo
REPOSITÓRIO

Acervo Estadão

DESCRIÇÃO Sem mencionar o nome do circo, jornal faz breve nota sobre a “companhia equestra e gymnastica” presente no Largo da Concórdia, com “uma boa colleção de animaes ferozes”.

Espalhe

SP deveria rezar missa por não ter zoo nem jogo do bicho, defende Coelho Neto

 

TÍTULO Mala do Rio [nota presente na coluna] 
AUTOR

Coelho Neto

DATA  25 de março de 1895
LOCAL Rio de Janeiro, Rio de Janeiro 
FONTE Correio Paulistano 
REPOSITÓRIO

Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional

 

DESCRIÇÃO

Coluna de opinião discorre sobre os efeitos causados na cidade do Rio de Janeiro pelo jogo do bicho, quase todos da ordem de desequilíbrio na dinâmica entre as classes sociais.

Além disso, menciona-se o “barão” sem expor o seu nome. 

Abaixo, grifos meus:

 

“São Paulo não tem um jardim zoológico… é caso para os paulistas mandarem rezar missas em ação de graças, porque podem contar com os criados e com os gêneros para o almoço. Nós, fluminenses, andamos pagando culpas e poules.

O nosso cozinheiro, preocupado com a bicharia, queima o assado, salga a sopa e, em vez de deitar cebolas no guizado, deita-lhe talas de canella e cravo do Ceylão levando a cebola para a baba de moça e tudo isso por causa do gallo ou da cobra.

A lavadeira troca-nos as camizas, obriga-nos a usar collarinhos hirtos (…), as vezes por um simples sonho que a traz preocupada – o elefante, o marreco ou outro bicho qualquer. E há conflitos nos bondes por causa do coelho, cabeças quebradas por causa do urso, arranhaduras por causa do gato.

Vivemos como no tempo em que os animais dominavam e o barão [de Drumond] empanturra-se de dinheiro e o vício cresce escandalosamente porque até feiticeiros andam a rezar a Santo Onofre para que o santos lhes diga, em segredo, qual é o bicho que dá.

A polícia descobriu uma casa de tolerância onde adeptos faziam preces, seduzindo fetiches para que lhes desses bons palpites – os taes fetoches, ao que parece, melindrados pro serem confundidos com tavolageiros guiaram um delegado à capela dos crentes e o trunfo saiu às avessas à pobre gente. Até senhoras conspícuas atiram-se aos bichos, mães de família exemplares, avós veneradas, tias solteironas jogam todas com fúria, esgotando os mealheiros e fazendo minguar o almoço para que sobre um carneiro para o burro.

É uma febre de animalidade que apavora. E as autoridades, impassíveis, deixam correr o jogo à revelia para que o povo não morra de tédio nesta boa terra de tristeza e de sol”

 

Espalhe