Tag: Portugal

Leopardo escapa do jardim da quinta das Laranjeiras, em Lisboa, e é morto por soldados

 

TÍTULO  Caça ao Leopardo
AUTOR  Desconhecido
DATA  6 de setembro de 1905
LOCAL  Lisboa, Portugal
FONTE  O Estado de S.Paulo
REPOSITÓRIO

Acervo Estadão

DESCRIÇÃO

Jornal relata “caso sensacional” ocorrido em Lisboa (Portugal) de leopardo que, ao ser transferido para um novo parque e uma nova jaula, consegue escapar. São acionadas a polícia, a força de cavalaria e infantaria da guarda municipal para cercar o jardim, encontrando o leopardo “descansando tranquilamente” em um propriedade vizinha ao zoo da quinta das Laranjeiras. Ao ser atingido pela primeira vez pelas balas, o leopardo foge. Depois, ao ser novamente baleado, corre em direção à força militar e finalmente é morto.
Reportagem pode ser lida como um exemplo do tratamento dado aos animais que fugiam de zoos no início do século 20. Já de princípio considerado “feroz”, o único destino possível ao leopardo é a morte. 

Vale comparar a narrativa da reportagem do Estadão com a do Correio Paulistano (abaixo). 

 

 

TÍTULO  Carta de Lisboa (nota da coluna)
AUTOR  Desconhecido
DATA 8 de setembro de 1905
LOCAL  Lisboa, Portugal
FONTE Correio Paulistano
REPOSITÓRIO

Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional

DESCRIÇÃO

Reportagem do Correio Paulistano traz mais alguns detalhes da fuga de leopardo e de sua procedência (fora um presente ao rei do governador geral de Moçambique, Azevedo Coutinho). O animal teria fugido de uma jaula cuja construção ainda estava incompleta e, depois, ficara passeando “serena e elegante, gozando as delicias da liberdade” até ser alvejado por soldados.

Tanto no relato do Correio Paulistano quanto no Estadão, no entanto, é possível perceber como o leopardo mantém uma atitude “tranquila” (até ser atacado), enquanto os humanos estão extremamente nervosos, atrapalhados e despreparados frente à situação (até mesmo ferindo um soldado à bala). 

 

Espalhe

Zoo de Lisboa leiloa bens para fechamento; animais passam fome

TÍTULO Corresp. de Portugal: Lisboa – Dezembro 1886
AUTOR José Carrilho Videira
DATA 30 de janeiro 1887
LOCAL Lisboa, Portugal
FONTE  jornal “A Província de São Paulo”
REPOSITÓRIO  Acervo Estadão
DESCRIÇÃO

Correspondente d’A Província em Lisboa reporta que zoológico de Lisboa já leiloou parte dos seus bens e que animais da instituição passam fome.

Pequena nota dá a entender que um dos indicativos que mostravam o fracasso da empreitada, já de início, era o fato de que as “casinholas” destinadas a abrigar os animais eram bonitas, mas sem “commodidades”.

 

Espalhe

Zoo de Lisboa prestes a fechar as portas

TÍTULO Corresp. de Portugal: Lisboa – Maio 1886
AUTOR José Carrilho Videira
DATA 9 de julho de 1886
LOCAL Lisboa, Portugal
FONTE  jornal “A Província de São Paulo”
REPOSITÓRIO  Acervo Estadão
DESCRIÇÃO

Encerramento das atividades do zoológico de Lisboa parece iminente, devido ao fracasso administrativo e de bilheteria. Repórter dá a entender que donos do zoo alegam alto gasto com os animais “quando em verdade são os de dois pés [os homens] que comem de mais, sendo de uma completa incapacidade”.

É muito possivel que morra a mais util e agradavel de todas as empresas que ultimamente se tem organizado em Lisboa e não porque lhe faltasse o favor publico, mas tão somente pela incapacidade dos directores

 

Espalhe

Diminui venda de ingressos de zoo de Lisboa

TÍTULO Corresp. de Portugal: Lisboa – Julho 1885
AUTOR desconhecido [provavelmente, Carrilho Videira]
DATA 5 de setembro de 1885
LOCAL Lisboa, Portugal
FONTE  jornal “A Província de São Paulo”
REPOSITÓRIO  Acervo Estadão
DESCRIÇÃO
Nota do correspondente d’A Província de São Paulo mostra que, nos (provavelmente, os primeiros) seis meses de 1885, o zoológico de Lisboa teve média de venda de 602 entradas por dia. No ano anterior, a média diária foi de 770.
 
Isso, pelo correspondente, é avaliado como um “fiasco” e culpa da “incapacidade da direcção”.
 
Também é relatado um caso curioso em que pintores foram proibidos de retratar os animais do parque. 

 

Espalhe

Animais morrem de frio no zoológico de Lisboa

TÍTULO Corresp. de Portugal: Lisboa – Maio 1885
AUTOR Carrilho Videira
DATA 10 de junho de 1885
LOCAL Lisboa, Portugal
FONTE  jornal “A Província de São Paulo”
REPOSITÓRIO  Acervo Estadão
DESCRIÇÃO
Inverno impõe sofrimento aos animais do recém-inaugurado zoológico de Lisboa. Uma das primeiras notícias encontradas durante a pesquisa que denunciam maus-tratos a animais encarcerados. Além da reclamação sobre a falta de diversidade de espécies presentes no zoo (o que já fora feito anteriormente pelo mesmo correspondente), é criticado o tamanho “acanhado” das jaulas e o despreparo para o frio. No entanto, importante notar, não é o encarceramento em si o problema, mas a má administração do empreendimento.
 
O correspondente vê como necessária a apresentação de espécies tanto do continente quanto das “possessões ultramarinas” de Portugal –algo relacionado ao domínio metonímico de terras estrangeiras?
 

Uma girafa que alli havia morreu, bem como outros animaes, ignaramente sacrificados, durante a quadra dos grandes frios, em acanhadissimos espaços. As jaulas dos cães e demais animaes são extremamente acanhadas, algumas têm apenas um metro de largura e tres de fundo, o que enregela o animal e o mata, por não poder mover-se à vontade e harmonizar a circulação necessaria. 

 

Espalhe

Deficiência de specimens prejudica zoo de Lisboa

TÍTULO Corresp. de Portugal
AUTOR C.V. [José Carrilho Videira?]
DATA 18 de novembro 1884
LOCAL Lisboa, Portugal
FONTE  jornal “A Província de São Paulo”
REPOSITÓRIO  Acervo Estadão
DESCRIÇÃO
 Correspondente relata brevemente como zoológico de Lisboa, “este recreio tão útil”, não correspondeu às esperanças, devido a “absoluta deficiencia de specimens zoologicos” e má-administração de seus diretores

 

Espalhe

Civilização alcança Lisboa com inauguração de zoo

TÍTULO Escrevem de Lisboa, a 29
AUTOR desconhecido
DATA 19 de junho de 1884
LOCAL Lisboa, Portugal
FONTE  jornal “A Província de São Paulo”
REPOSITÓRIO  Acervo Estadão
DESCRIÇÃO
 Reportagem relata inauguração do novo zoológico de Lisboa, Portugal, localizado no parque de S. Sebastião da Pedreira.

Interessante a observação do redator, que relaciona o zoo a uma prisão para os animais:

O local é magnifico, e n’aquelle vasto recinto todo coberto de arvoredos (…), os pobres animaes prisioneiros não terão ao menos a nostalgia da verdura e da sombra

Reportagem também lista os empresários envolvidos no negócio: [José Thomaz] Souza Martins e [Pedro] Van der Loan, e termina fazendo paralelo entre a presença de um zoo e o grau de civilização de uma cidade

Hein! Isto representa inquestionavelmente mais uma conquista que a civilisação alcançou sobre a inercia e rotineira d’esta boa Lisboa.

 

Espalhe

Zoo de Lisboa é inaugurado com cabras e ovelhas

TÍTULO Jardim Zoologico e de Aclimação
AUTOR desconhecido
DATA 29 junho 1884
LOCAL Lisboa, Portugal
FONTE  jornal “Seculo”, em reprodução pela “A Província de São Paulo”
REPOSITÓRIO  Acervo Estadão
DESCRIÇÃO
Reprodução de reportagem jornal português “Seculo”, de 29 de maio de 1884, sobre a inauguração do zoológico de Lisboa, em Portugal.
 
Boa parte do texto é uma enumeração dos animais presentes no parque. Muitos deles estão longe da categoria entendida como “selvagem” ou “exótica”, como cabras, ovelhas, bois, corvos, perdizes e cães. Há no entanto, uma girafa e uma gaiola de macacos, que era a “que mais chava a attenção do público”, além de camelos que podiam ser montados por visitantes. 
 
Interessante notar o interesse d’ “A Província de São Paulo” no empreendimento. 

 

Espalhe

Ramalho Ortigão defende zoo como instrumento moralisador e educativo

TÍTULO Lição que nos serve
AUTOR Ramalho Ortigão
DATA 4 de abril de 1883
LOCAL Lisboa, Portugal
FONTE  jornal “A Província de São Paulo”
REPOSITÓRIO  Acervo Estadão
DESCRIÇÃO
Em “A Lição que nos serve”, Ramalho Ortigão, escritor português que colaborava com o jornal “A Província de São Paulo”, elogia a formação de uma comissão em Lisboa para construção de um Jardim Zoológico na capital portuguesa.
 
O autor acredita que a presença do zoo trará resultados positivos à educação da população:
 
A sabida importância de um jardim zoológico para os altos estudos da biologia e da zoologia comparada, as quaes, depois de Darwin, se tornaram a base experimental de toda a philosophia da natureza, torna-se um valor secundário perante os estímulos de curiosidade intellectual e de moralisador e nobilitante prazer intelligente, que essa instituição é chamada a exercer no espírito do povo.
 
Ele continua dizendo que “decretar a instrução”, assim como a “moralidade”, é inútil caso o povo não tenha interesse pelo assunto: “o povo não sente a necessidade de aprender”:
 
A curiosidade intellectual não desperta sinão pelo exercício das faculdades postas em movimento por uma solicitação do prazer, e ninguém entre nós tem pensado em crear os prazeres do espírito popular.
 
Dessa forma, o zoo é importante ao criar o interesse pela instrução a partir do prazer.

Espalhe