Tag: Rio de Janeiro

Jornalista rememora origens do jogo do bicho no Rio de Janeiro

 

TÍTULO  Jornaes do Rio – Jornal do Commercio
AUTOR  Constâncio Alves
DATA 10 de agosto de 1916
LOCAL Rio de Janeiro
FONTE  O Estado de S. Paulo reproduzindo o Jornal do Commercio
REPOSITÓRIO

Acervo Estadão

DESCRIÇÃO Artigo de autoria de Constâncio Alves discute a origem do jogo do bicho, em resposta à colocação de um congressista, Erico Coelho, de que a prática teria origem cambojiana.

 

https://1.bp.blogspot.com/-D7mvtlKwDyY/UeiIPtPI6-I/AAAAAAAABxc/CFN2PozCcpk/s1600/agosto+1916.jpg

Espalhe

Novas versões sobre a morte de tratador alemão por elefante no Rio de Janeiro

 

TÍTULO  O elefante Topsy – o animal, enfurecendo-se, mata seu tratador
AUTOR  Desconhecido
DATA  18 de março de 1914
LOCAL  Rio de Janeiro
FONTE  Correio Paulistano
REPOSITÓRIO

Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional

DESCRIÇÃO

Correio Paulistano apresenta duas versões sobre a morte do tratador alemão pelo elefante Topsy no Rio de Janeiro. Em uma, a causa da morte é, na realidade, um ataque cardíaco, e fica a impressão de que o animal pertence a um circo.

Vale notar que o elefante tem o mesmo nome da paquiderme eletrocutada por Thomas Edson em 1903.

https://2.bp.blogspot.com/-W_cAeVd_iWw/U5X7PlZtArI/AAAAAAAAEQ4/fY61aS4S8xE/s1600/18+de+mar%C3%A7o.jpg

Espalhe

Elefante se vinga de pancada na tromba e mata tratador no Rio de Janeiro

 

TÍTULO  Ataque de um elefante
AUTOR  Desconhecido
DATA  19 de março de 1914
LOCAL Rio de Janeiro
FONTE O Estado de S.Paulo
REPOSITÓRIO

Acervo Estadão

DESCRIÇÃO

Reportagem relata, com detalhes brutais, a morte do jovem alemão Richard Nines pelo “elephante sábio” Tapsy no zoo do Rio de Janeiro. O evento é explicado por razões de mau humor, tanto do animal, quando do tratador.

Sobre o evento ainda aparecerão outras versões, com a mudança de grafia dos nomes tanto do tratador (Richard Nives) e do elefante (Topsy).

 

Espalhe

Novo zoológico do Rio dará prioridade à fauna brasileira, diz Júlio Furtado

 

TÍTULO  O Jardim Zoologico do Rio
AUTOR  Desconhecido
DATA  20 de setembro de 1913
LOCAL  Rio de Janeiro
FONTE  O Estado de S. Paulo / Correio da Manhã
REPOSITÓRIO

Acervo Estadão

DESCRIÇÃO

Em entrevista ao “Correio da Manhã”, Júlio Furtado, da Inspetoria de Mattas e Jardins da cidade do Rio de Janeiro, fala sobre os planos para o novo jardim zoológico da capital, visto sobretudo como uma “necessidade”. Dando previsão de dois anos para que as obras sejam concluídas, ele expõe as prioridades expositivas do empreendimento:

Os animais da África e da Ásia deverão ser adquiridos com o tempo e gradualmente, sem, porém, a imediata necessidade que para nós representa a colleção de animais da fauna brasileira. Porque, cumpre insistir, precisamos ter um Jardim que simultaneamente como embellezamento da cidade e espetáculo recreativo para o povo, deve ser útil à instrucção pública, onde os que (?) possam encontrar exemplares vivos do reino zoologico.

 

 

Espalhe

Novo zoológico do Rio terá 200 mil metros quadrados

 

TÍTULO  O Jardim Zoologico do Rio
AUTOR  Desconhecido
DATA  16 de setembro de 1913
LOCAL  Rio de Janeiro
FONTE  O Estado de S. Paulo
REPOSITÓRIO

Acervo Estadão

DESCRIÇÃO Reportagem apresenta distribuição espacial planejada para o futuro zoológico do Rio de Janeiro, que teria sua pedra fundamental inaugurada pelo prefeito e general Bento Ribeiro no dia 20 de setembro de 1913. A área destinada ao parque ficava na Boa Vista, na antiga Quinta Imperial, e tinha cerca de 200 mil metros quadrados.

 

https://3.bp.blogspot.com/-DudhopoPgzs/UeH2u5q4FwI/AAAAAAAABvs/zx5YG87mBP8/s1600/setembro1912.JPG

Espalhe

Filho de Carl Hagenbeck visita o Rio de Janeiro e zoológico local

 

TÍTULO  Hospede Illustre
AUTOR  Desconhecido
DATA  13 de agosto de 1909
LOCAL  Rio de Janeiro
FONTE  Correio Paulistano
REPOSITÓRIO

Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional

DESCRIÇÃO

Em rápida passagem pelo Rio de Janeiro, Lorenz Hagenbeck, filho de Carl Hagenbeck, visitou a então capital brasileira e o zoológico local.
Ali, fez alguns elogios inflados ao zoo (“o mais bello do mundo”), mostrou que o bem-estar dos animais comercializados pela sua empresa ficava em segundo plano (ao ter vendido ao Rio anos antes um casal de ursos brancos que julgava que nunca iriam resistir ao clima) e demonstrou um interesse aparentemente falso pelo mandril (disse que trocaria por um bom casal de leões, quando se sabe que esses eram dos animais mais baratos do comércio de animais — tal contradição, no entanto, não foi notada pela reportagem):

 

“Em sua visita ao Jardim Zoologico, o sr. Hegenbeck manifestou franca admiração pela belleza do local, classificando-o o mais bello do mundo. Em sua opinião, o Jardim Zoologico supllanta o de Ceylão, que é, topographicamente, o mais lindo do mundo.(…) Admirou-se das boas condições em que encontrou os ursos brancos, que, quando vieram, ha cerca de dois annon, de sua casa, julgava impossivel resistirem ao clima do Rio. (…) Não acreditava que o nosso Jardim possuisse o grande Mandril, porque, ha muito tempo, nao tem tido, em Hamburgo, o Mandril sinão pequeno. “Daria de bom gosto um casal de meus melhores leões, mas sei que o Jardim não faria essa troca”.

 

Espalhe

Mercador de animais Carl Hagenbeck presenteia zoo do Rio de Janeiro com ursos japoneses, marrecos e macacos

 

TÍTULO  Ursos japonezes
AUTOR  Desconhecido
DATA  11 de junho de 1909
LOCAL  Rio de Janeiro
FONTE  Commercio de São Paulo
REPOSITÓRIO

Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional

DESCRIÇÃO  Mercador de animais Carl Hagenbeck (que mais tarde ficará conhecido como o criador do “zoológico moderno” e cujo nome é grafado aqui como Karl Hageubeck) teria doado para o zoológico do Rio de Janeiro “um precioso casal de ursos japonezes [depois identificados como ursos torquatus, nomenclatura que caiu em desuso e foi substituída por ursus thibetanus], 8 marrecos mandarins e 8 macacos Anabis, Hamadryas e Babunios). Em troca, receberia de presente uma águia de luxo (Spizaetus ornatus), “originária do Amazonas” e sobre a qual soube a partir de uma fotografia que lhe foi enviada. Interessante pensar nesta troca de fotografias de animais entre zoológicos, tal como um álbum de figurinhas.
Os animais doados por Hagenbeck são vistos pela reportagem como uma “dádiva de alto valor”, “de grande raridade”, “de extraordinaria sensibilidade climaterica e obedecem a um regimen alimentar especialíssímo” — ou seja, têm seu caráter exótico sublinhado. A doação de tais animais teria se dado após Hagenbeck observar “com grande admiração” a adaptação de ursos brancos ao clima do Rio de Janeiro, o que demonstraria que “no Jardim Zoologico do Rio não se poupam esforços para a sua conservação”. 

 

 

http://4.bp.blogspot.com/-ZVX3kwe0RDM/U44otEyEP6I/AAAAAAAAEPw/jv7inH0gJQs/s1600/11+junho+1909.jpg

Espalhe

Olavo Bilac relata”zoolatria aguda” e passageira em torno dos animais do zoo do Rio de Janeiro

 

TÍTULO  Zoolatria Aguda
AUTOR  Olavo Bilac
DATA  6 de novembro de 1907
LOCAL  Rio de Janeiro
FONTE  Correio Paulistano
REPOSITÓRIO

Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional

DESCRIÇÃO

Olavo Bilac relata toda a atenção dada aos animais recém-chegados do zoológico do Rio de Janeiro (Vila Isabel), prevendo o desinteresse do público em poucos meses:

Em torno de cada gaiola, de cada jaula, de cada viveiro, de cada tanque, havia um grupo compacto de zoólatras, admirando os animaes. E eram enternecedoras as perguntas que os visitantes, com a voz trêmula de interesse e ternura, dirigiam aos guardas: Estavam todos os bichos vivos? Nenhum morrera? Continuavam a gozar de boa saúde? Comiam bem? Mostravam-se satisfeitos com a sua nova residência?…”O urso branco, principalmente, atraia a solicitude dos perguntares: “Não estranhara o calor? Suportará bem o banho? Não se deixava ganhar pela nostalgia assassina, moléstia de poetas e de damas sensíveis?…” E o urso branco, insensível aos cuidados que inspirava, melancholicamente se bambaleava sobre as curtas pernas traseiras, agarrando-se com as dianteitas ao tronco de uma goiabeira (…) Felizes bichos! Que os deuses misericordiosos lhes conservem a vida e a saúde no Jardim Zoológico, onde, daqui a pouco tempo, gozarão os indizíveis benefícios e as ineffáveis delícias da solidão, do silêncio e da paz!

Porque, daqui a algumas semanas, a nossa zoolatria terá desaparecido, como tantas outras latrias que já nos exaltaram  (…) quando algum jornal noticiar que algum dromedário morreu com saudade dos seus ares ou que o urso branco se está finando com a nostalgia dos seus campos de gelo, toda a gente perguntará: “Que dromedário?”! “Que urso branco?”! –e sem mais indagações continuará a pensar na laria de então, que ninguem pode prever qual será…

 

Espalhe

Prefeitura do Rio de Janeiro planeja compra de antigo zoo ou construção de novo parque nos moldes do de Nova York

 

TÍTULO  sem título [nota]
AUTOR  Desconhecido (relata matéria publicada no “Jornal”)
DATA  30 de janeiro de 1907
LOCAL  Rio de Janeiro
FONTE  O Estado de S.Paulo
REPOSITÓRIO

Acervo Estadão

DESCRIÇÃO

Prefeitura do Rio de Janeiro, comandada pelo general Souza Aguiar, pretende adquirir o antigo Jardim Zoológico da cidade (provavelmente o de propriedade do Barão de Drumond) para reformá-lo ou adquirir terrenos na Quinta da Boa Vista (de propriedade da Santa Casa de Misericórdia) para fazer um novo e grande parque jardim zoológico “modelado pelo de Nova York”.

Caso necessário, o plantel de animais seria comprado em Hamburgo [provável referência ao comércio de animais de Carl Hagenbeck]. Além disso, a direção do zoo ficaria a cargo de um “hábil e competente” profissional do estrangeiro. Como em outros registros, vê-se a construção do zoo como forma de equiparação da cidade com outras congêneres estrangeiras:

 

A idéa do sr. prefeito é de um grande parque, com lagos, alamedas, praças arborisdas, rios e lagos artificiaes e, em meio disso tudo, jaulas para todas as especies de animaes, gaiolas para reptis, viveiros para aves e passarinhos.
Os animaes que o sr. prefeito não adquirir naquella capital serão por s. exa. encommendados na grande feira de Hamburgo ou trocados por alguns especimens da nossa fauna.
É pensamento do sr. general Souza Aguiar fazer com que o Rio de Janeiro tenha um jardim zoologico invejavel e que possa rivalisar com os melhores do mundo.

 

Espalhe

Abençoado o jogo, diz cronista sobre zoo do Rio de Janeiro

 

TÍTULO  Diario do Rio
AUTOR  O.B.
DATA  28 de junho de 1898
LOCAL  Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
FONTE  O Estado de S.Paulo
REPOSITÓRIO

Acervo Estadão

DESCRIÇÃO

Cronista menciona sua visita ao zoológico do Rio de Janeiro e elogia os jogos (no caso, um frontão e um boliche) que garantiam rendimento ao estabelecimento e, assim, a alimentação dos animais e a manutenção do espaço:
Talvez sem se dar conta, o cronista também mostra como o público rapidamente perde o interesse nos animais, que vivem melhor sem serem importunados pela curiosidade do povo:

“Quando a polícia, ardendo em zelo, prohibiu ha alguns annos, o jogo no Zoologico, começou a desenrolar-se alli uma tragedia dolorosa. Foi a tragedia do fim de um mundo, em todo o seu horror. Sem jogo, não havia dinheiro; sem dinheiro, não havia alfafa, nem milho, nem alpiste, nem farello. E o jardim se encheu daquele chôro e ranger de dentes, de que falla a Bíblia. O chôro era a humilde manifestação do pezar dos macacos e das avez; o ranger dos dentes era a colerica e formidavel lamentação dos tigres e das onças. E o que mais doía era ver os macacos, magros, pellados, com lagrimas humanas nos olhos, coçando desesperadamente o coccyx, guinchando a sua fome e a sua tortura…
Agora, que bello! têm os bichos comida farta, e, o que mais é, socego. Socego completo, absoluto, ineffavel!
Os animaes estão livres da curiosidade e das importunações do povo, que não arréda pé do frontão e do boliche, acompanhando as peripecias commovedoras das partidas de pelota e bola. 

 

Espalhe