Tag: Barão de Drumond

Olavo Bilac relata”zoolatria aguda” e passageira em torno dos animais do zoo do Rio de Janeiro

 

TÍTULO  Zoolatria Aguda
AUTOR  Olavo Bilac
DATA  6 de novembro de 1907
LOCAL  Rio de Janeiro
FONTE  Correio Paulistano
REPOSITÓRIO

Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional

DESCRIÇÃO

Olavo Bilac relata toda a atenção dada aos animais recém-chegados do zoológico do Rio de Janeiro (Vila Isabel), prevendo o desinteresse do público em poucos meses:

Em torno de cada gaiola, de cada jaula, de cada viveiro, de cada tanque, havia um grupo compacto de zoólatras, admirando os animaes. E eram enternecedoras as perguntas que os visitantes, com a voz trêmula de interesse e ternura, dirigiam aos guardas: Estavam todos os bichos vivos? Nenhum morrera? Continuavam a gozar de boa saúde? Comiam bem? Mostravam-se satisfeitos com a sua nova residência?…”O urso branco, principalmente, atraia a solicitude dos perguntares: “Não estranhara o calor? Suportará bem o banho? Não se deixava ganhar pela nostalgia assassina, moléstia de poetas e de damas sensíveis?…” E o urso branco, insensível aos cuidados que inspirava, melancholicamente se bambaleava sobre as curtas pernas traseiras, agarrando-se com as dianteitas ao tronco de uma goiabeira (…) Felizes bichos! Que os deuses misericordiosos lhes conservem a vida e a saúde no Jardim Zoológico, onde, daqui a pouco tempo, gozarão os indizíveis benefícios e as ineffáveis delícias da solidão, do silêncio e da paz!

Porque, daqui a algumas semanas, a nossa zoolatria terá desaparecido, como tantas outras latrias que já nos exaltaram  (…) quando algum jornal noticiar que algum dromedário morreu com saudade dos seus ares ou que o urso branco se está finando com a nostalgia dos seus campos de gelo, toda a gente perguntará: “Que dromedário?”! “Que urso branco?”! –e sem mais indagações continuará a pensar na laria de então, que ninguem pode prever qual será…

 

Espalhe

Prefeitura do Rio de Janeiro planeja compra de antigo zoo ou construção de novo parque nos moldes do de Nova York

 

TÍTULO  sem título [nota]
AUTOR  Desconhecido (relata matéria publicada no “Jornal”)
DATA  30 de janeiro de 1907
LOCAL  Rio de Janeiro
FONTE  O Estado de S.Paulo
REPOSITÓRIO

Acervo Estadão

DESCRIÇÃO

Prefeitura do Rio de Janeiro, comandada pelo general Souza Aguiar, pretende adquirir o antigo Jardim Zoológico da cidade (provavelmente o de propriedade do Barão de Drumond) para reformá-lo ou adquirir terrenos na Quinta da Boa Vista (de propriedade da Santa Casa de Misericórdia) para fazer um novo e grande parque jardim zoológico “modelado pelo de Nova York”.

Caso necessário, o plantel de animais seria comprado em Hamburgo [provável referência ao comércio de animais de Carl Hagenbeck]. Além disso, a direção do zoo ficaria a cargo de um “hábil e competente” profissional do estrangeiro. Como em outros registros, vê-se a construção do zoo como forma de equiparação da cidade com outras congêneres estrangeiras:

 

A idéa do sr. prefeito é de um grande parque, com lagos, alamedas, praças arborisdas, rios e lagos artificiaes e, em meio disso tudo, jaulas para todas as especies de animaes, gaiolas para reptis, viveiros para aves e passarinhos.
Os animaes que o sr. prefeito não adquirir naquella capital serão por s. exa. encommendados na grande feira de Hamburgo ou trocados por alguns especimens da nossa fauna.
É pensamento do sr. general Souza Aguiar fazer com que o Rio de Janeiro tenha um jardim zoologico invejavel e que possa rivalisar com os melhores do mundo.

 

Espalhe

Abençoado o jogo, diz cronista sobre zoo do Rio de Janeiro

 

TÍTULO  Diario do Rio
AUTOR  O.B.
DATA  28 de junho de 1898
LOCAL  Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
FONTE  O Estado de S.Paulo
REPOSITÓRIO

Acervo Estadão

DESCRIÇÃO

Cronista menciona sua visita ao zoológico do Rio de Janeiro e elogia os jogos (no caso, um frontão e um boliche) que garantiam rendimento ao estabelecimento e, assim, a alimentação dos animais e a manutenção do espaço:
Talvez sem se dar conta, o cronista também mostra como o público rapidamente perde o interesse nos animais, que vivem melhor sem serem importunados pela curiosidade do povo:

“Quando a polícia, ardendo em zelo, prohibiu ha alguns annos, o jogo no Zoologico, começou a desenrolar-se alli uma tragedia dolorosa. Foi a tragedia do fim de um mundo, em todo o seu horror. Sem jogo, não havia dinheiro; sem dinheiro, não havia alfafa, nem milho, nem alpiste, nem farello. E o jardim se encheu daquele chôro e ranger de dentes, de que falla a Bíblia. O chôro era a humilde manifestação do pezar dos macacos e das avez; o ranger dos dentes era a colerica e formidavel lamentação dos tigres e das onças. E o que mais doía era ver os macacos, magros, pellados, com lagrimas humanas nos olhos, coçando desesperadamente o coccyx, guinchando a sua fome e a sua tortura…
Agora, que bello! têm os bichos comida farta, e, o que mais é, socego. Socego completo, absoluto, ineffavel!
Os animaes estão livres da curiosidade e das importunações do povo, que não arréda pé do frontão e do boliche, acompanhando as peripecias commovedoras das partidas de pelota e bola. 

 

Espalhe

Chefe de polícia ordena cassação da licença do jogo do bicho no Rio de Janeiro e barão de Drumond se recusa a cumprir ordem

 

TÍTULO  Última Hora [nota em coluna]
AUTOR Desconhecido 
DATA  20 de abril de 1895
LOCAL  Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
FONTE  O Estado de S.Paulo
REPOSITÓRIO

Acervo Estadão

DESCRIÇÃO

Polícia cassa licença do jogo do bicho no zoológico do Rio de Janeiro. Para cumprir a ordem, delegado e escrivão foram de madrugada até zoo acompanhados de 25 praças de infantaria e 17 de cavalaria. Ao saber da interdição, barão de Drumond se recusou a ceder e disse que estava em seus direitos como previsto em contrato. Toda a movimentação foi acompanhada de perto pelo público. 

Às 8 horas da manhan abriu o Jardim Zoologico. Silvino Araujo, empregado do barão Dumond dispunha-se a levar ao quadro o bicho. O delegado prohibiu que o quadro fosse içado, rompenso o povo, nessa occasião, numa grande salva de palmas.
Outro empregado perguntou ao delegado se elle prohibia a venda de entradas, respondendo-lhe a auctoridade que a venda era permittida sem direito ao premio.
Depois appareceu o genro do barão de Dumond, Alberto Cajaro, director da empreza, dizendo que havia de expôr o quadro, recebendo nessa occasião voz de prisão, e bem assim o empregado Leopoldo Fernandes. Os dois foram remettidos ao posto policial de Santa Isabel, e ahi, depois de lavrado um auto, foram postos em liberdade.

 

Espalhe

Quem afinal reclama do jogo do bicho?, pergunta cronista do Rio

 

TÍTULO Carta do Rio 
AUTOR  Orlando
DATA  1 de abril de 1895
LOCAL  Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
FONTE  O Estado de S.Paulo
REPOSITÓRIO

Acervo Estadão

DESCRIÇÃO

Permeada de ironia, crônica fala sobre os efeitos do jogo do bicho no Rio de Janeiro e pergunta: quem afinal está reclamando contra o jogo? 

“Está em crise a bicharia do Jardim Zoologico.
A moralidade publica, uma coisa que aparece poucas vezes; mas que quando se apresenta tem sempre a pretensão de impor a sua vontade, está revoltada contra o jogo nos bichos do referido jardim e de toda parte surgem protestos e reclamações contra a bicharia e tão veementes que se os tais bichos, fossem de carne e osso em vez de serem pintados um quadro tosco, seria para receiar um novo S. Bartholomeu no aprazível bairro de Villa Isabel.
Parece, pela indignação dos jornais e pelos protestos das famílias, que o jogo nesses animais tomou as proporções de uma calamidade publica e tanto que a Intendência trata de, com a maior brevidade, fazer secar a fonte de onde provém tantos males.
Jogo é jogo e está convencionado que não é de boa moral defender esse meio de se perder ou de se ganhar dinheiro; mas entre nós, tudo se passa de um modo verdadeiramente extraordinário.
Em primeiro lugar, o jogo dos bichos, verdadeira especulação, foi autorizado por todos os poderem competentes, e assim tem continuado até que agora os mesmos poderes tratam de o suprimir.
O que esperavam, porém, os poderes públicos, Municipalidade e Polícia, quando permitiram o jogo dos bichos? A julgar pela atitude que agora tomaram perante esse jogo, parece que eles supunham ou que o concessionário não usaria da concessão ou que o público não se apaixonaria por esse divertimento.
Ora, quer numa, quer em outra hipótese, se os poderes referidos tivessem miolo em vez de minhocas no cérebro, a primeira e única coisa que deveriam fazer era não permitir tal jogo e mandar o dono do Jardim Zoológico pentear os muitos macacos que lá tem expostos.
(…)
Pelo que se refere ao público, a minha confusão acerca do seu procedimento é ainda maior e deixa-se positivamente perplexo.
É certo, é indubitável, está provado, que há imensas reclamações contra esta espécie de jogo. Mas quem reclama?
São aqueles que jogam e que fazem diariamente a romaria ao Jardim Zoologico? Não é de crer que sejam esses os reclamantes (…) Excluídos portanto os que jogam, ficam como reclamantes os que não jogam, os que compõem a opinião, a parte sã da sociedade, os sacerdotes da Moral (…)
Estes porém, que reclamam, não por si, mas em nome dos bons costumes, alegam que colegiais, pequenos caixeiros e irresponsáveis deixam de cumprir os seus deveres para se entregarem de corpo e alma aos azares do avestruz e do porco da Índia.
Ainda mais: senhoras donas de casa, boas menagères até agora, seduzidas pelo palpite no Gorila, têm metido mão criminosa no dinheiro das compras e suprimido alguns temperos da panela para se habilitarem na jogatina do Zoológico.
Ora, todas essas alegações reunidas como a num libelo formidável ecoaram no coração das autoridades e pode-se já ter como certo que os bichos poderão servir para qualquer coisa, menos para dar ou tirar dinheiro a alguem.
Mas se acabam com um jogo tão perigoso, tão pernicioso, tão perversor da mocidade estudiosa e caixeral que parece não ter pais nem patrões que lhes puxem as orelhas e tão pertubador do pot-au-feu das famílias remediadas, o que é que vai daqui em diante fazer toda essa gente viciada e viciosa?
Os homens vão para o dados e para roleta e as mulheres e as crianças para o bilhetinho das loterias diárias, mais baratos e mais sedutores. Com 800 réis, tira-se às vezes 4 contos.
Que pechincha e que moralidade!”

 

Espalhe

Cronista do Rio divaga sobre um reino da bicharia e joga no bicho

 

TÍTULO  De Varanda
AUTOR Barnaba 
DATA  20 de abril 1895 [Ano 1, número 13]
LOCAL Rio de Janeiro, Rio de Janeiro 
FONTE Dom Quixote 
REPOSITÓRIO

Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional

 

DESCRIÇÃO Cronista do Rio, “onde a jogatina reina escandalosamente, com plena autorização cooparticipante de mim próprio”, divaga pensando em um “reino da bicharia” do passado e decide jogar no bicho “para não fugir à lei geral”.

 

Espalhe

SP deveria rezar missa por não ter zoo nem jogo do bicho, defende Coelho Neto

 

TÍTULO Mala do Rio [nota presente na coluna] 
AUTOR

Coelho Neto

DATA  25 de março de 1895
LOCAL Rio de Janeiro, Rio de Janeiro 
FONTE Correio Paulistano 
REPOSITÓRIO

Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional

 

DESCRIÇÃO

Coluna de opinião discorre sobre os efeitos causados na cidade do Rio de Janeiro pelo jogo do bicho, quase todos da ordem de desequilíbrio na dinâmica entre as classes sociais.

Além disso, menciona-se o “barão” sem expor o seu nome. 

Abaixo, grifos meus:

 

“São Paulo não tem um jardim zoológico… é caso para os paulistas mandarem rezar missas em ação de graças, porque podem contar com os criados e com os gêneros para o almoço. Nós, fluminenses, andamos pagando culpas e poules.

O nosso cozinheiro, preocupado com a bicharia, queima o assado, salga a sopa e, em vez de deitar cebolas no guizado, deita-lhe talas de canella e cravo do Ceylão levando a cebola para a baba de moça e tudo isso por causa do gallo ou da cobra.

A lavadeira troca-nos as camizas, obriga-nos a usar collarinhos hirtos (…), as vezes por um simples sonho que a traz preocupada – o elefante, o marreco ou outro bicho qualquer. E há conflitos nos bondes por causa do coelho, cabeças quebradas por causa do urso, arranhaduras por causa do gato.

Vivemos como no tempo em que os animais dominavam e o barão [de Drumond] empanturra-se de dinheiro e o vício cresce escandalosamente porque até feiticeiros andam a rezar a Santo Onofre para que o santos lhes diga, em segredo, qual é o bicho que dá.

A polícia descobriu uma casa de tolerância onde adeptos faziam preces, seduzindo fetiches para que lhes desses bons palpites – os taes fetoches, ao que parece, melindrados pro serem confundidos com tavolageiros guiaram um delegado à capela dos crentes e o trunfo saiu às avessas à pobre gente. Até senhoras conspícuas atiram-se aos bichos, mães de família exemplares, avós veneradas, tias solteironas jogam todas com fúria, esgotando os mealheiros e fazendo minguar o almoço para que sobre um carneiro para o burro.

É uma febre de animalidade que apavora. E as autoridades, impassíveis, deixam correr o jogo à revelia para que o povo não morra de tédio nesta boa terra de tristeza e de sol”

 

Espalhe

Prefeito do Rio de Janeiro aciona polícia, que manda intimar Barão de Drumond para pôr fim ao jogo do bicho no zoo

As notas foram reunidas em uma mesma entrada por se tratar dos desdobramentos de um mesmo assunto. 

 

TÍTULO  Capital Federal [nota da coluna]
AUTOR Desconhecido 
DATA  18 de abril de 1895
LOCAL Rio de Janeiro, Rio de Janeiro 
FONTE Correio Paulistano 
REPOSITÓRIO

Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional

DESCRIÇÃO Jornal publica ofício enviado por prefeito Furquin Werneck ao chefe de polícia do Rio de Janeiro sobre o jogo do bicho no zoológico do Barão de Drumond . Interessante perceber como, embora o jogo seja alvo constante de críticas (“prejuízo para todas as classes sociaes, tornando-se verdadeira calamidade e vergonha publica”), o proprietário do local é sempre poupado e não tem seu nome exposto ao escrutínio público. 

 

 

TÍTULO  Capital Federal [nota da coluna]
AUTOR Desconhecido 
DATA  20 de abril de 1895
LOCAL Rio de Janeiro, Rio de Janeiro 
FONTE Correio Paulistano 
REPOSITÓRIO

Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional

DESCRIÇÃO  Jornal publica resposta do chefe de polícia do Rio de Janeiro ao prefeito Furquim Werneck. No documento, ele diz que proprietário do zoo será intimado de modo a pôr fim ao jogo do bicho na cidade. 

Espalhe

Conselho Municipal do RJ autoriza projeto que prevê fim do jogo do bicho

 

TÍTULO  Capital Federal [nota da coluna]
AUTOR  Desconhecido
DATA  3 de abril de 1895
LOCAL Rio de Janeiro, Rio de Janeiro 
FONTE  Correio Paulistano
REPOSITÓRIO

Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional

DESCRIÇÃO  Conselho municipal do Rio de Janeiro aprova projeto que autoriza o prefeito Furquim Werneck de Almeida a rescindir o contrato feito com o barão de Drumond para a conservação do zoológico, a fim de pôr um fim no “escandaloso” jogo do bicho. 

 

Espalhe

Membros do Conselho Municipal do RJ criticam imoralidade do jogo do bicho e apresentam projeto contra iniciativa

As notas foram reunidas em uma mesma entrada por se tratar dos desdobramentos de um mesmo assunto. 

 

TÍTULO  Telegrammas [nota da coluna]
AUTOR  Desconhecido
DATA 28 de março de 1895 
LOCAL  Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
FONTE  Correio Paulistano
REPOSITÓRIO

Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional

 

DESCRIÇÃO  “Os senhores Julio do Carmo e Sá Freire, do Conselho Municipal [do Rio de Janeiro], atacaram hoje o jogo dos bichos do Jardim Zoologico. Sá Freire vai neste sentido apresentar um projeto de repressão contra similhante immoralidade.”

 

 

TÍTULO  Capital Federal [nota da coluna]
AUTOR  Desconhecido
DATA 31 de março de 1895
LOCAL  Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
FONTE  Correio Paulistano
REPOSITÓRIO

Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional

DESCRIÇÃO É apresentado ao Conselho Municipal do Rio de Janeiro um projeto prevendo a rescisão do contrato que permitiu o jogo do bicho no zoológico do Barão de Drumond. 

 

Espalhe